INSS pode mudar bloqueio de benefícios para consignado

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
INSS pode mudar bloqueio de benefícios para consignado
INSS já publicou uma nova norma sobre bloqueio de benefícios para consignado. Entenda o que pode mudar para os beneficiários. (Foto: Pixabay)

Em junho de 2021, o Instituto de Defesa Coletiva deu início a uma Ação Civil Pública em face do INSS e da Dataprev, sob acusação de violação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Junto ao processo, foi solicitada a mudança de algumas regras para a concessão de empréstimo, que foram acatadas pela Justiça em decisão liminar (podendo ser objeto de recurso). A resolução determina o bloqueio de todos os benefícios previdenciários para a contratação de empréstimos consignados.

Hoje, o Blog da Bem explica quais foram essas mudanças e como elas impactam os aposentados e pensionistas do INSS. Confira!

O que a ação judicial propõe?

A ação encabeçada pelo Instituto de Defesa Coletiva tramitou na 12ª Vara da Justiça Federal de Pernambuco. Na tentativa de minimizar a ocorrência de fraudes nos empréstimos, a entidade solicitou:

  • O bloqueio do benefício automático para empréstimo;
  • A criação de uma página no site do INSS para atendimento de vítimas de fraudes em consignado, além de um ramal específico;
  • O contato direto entre o Sistema Nacional de Defesa do Consumidor e o INSS para a apuração de irregularidades;
  • A liberação do saque do limite do cartão consignado apenas a partir da informação da senha no desbloqueio em terminais eletrônicos.

Conforme decisão liminar, o INSS terá um prazo de 90 dias para cumprir a determinação do bloqueio dos benefícios. No entanto, a Dataprev pode ingressar com recurso para revisão da deliberação.

Quais as principais regras da determinação?

A liminar deferida impôs algumas regras para a concessão de empréstimos. Por exemplo, os benefícios concedidos serão desbloqueados somente para operações do consignado após solicitação expressa do beneficiado. Além disso:

  • Propostas de averbação apenas poderão ser enviadas após a assinatura do contrato;
  • O contrato apenas pode ser realizado na unidade federativa em que o benefício do titular se encontra;
  • O beneficiário ou representante legal poderá efetuar o bloqueio e desbloqueio para averbações de crédito consignado, a qualquer tempo, por meio do serviço eletrônico;
  • Se o valor do benefício ou da margem consignável for alterado, será possível reprogramar a consignação;
  • A reserva de margem consignável do cartão de crédito consignado ou do consignado de benefício precisará passar por uma solicitação formal do titular para ser realizada.

O que muda na prática?

O benefício será bloqueado para empréstimo no caso dos já beneficiados pelo INSS. Isso significa que, até o desbloqueio, não será possível simular ou contratar o consignado. Para liberar esse recurso e aproveitar as taxas oferecidas pela modalidade de empréstimo, a solicitação deve ser realizada via Central 135 ou no site Meu INSS.

Além disso, por ter sido determinada a proibição de atividades de marketing ativo para as instituições consignatárias antes de 180 dias contados a partir da data de despacho do benefício, não poderão ser realizadas propagandas e ofertas aos recém-aposentados.

No caso de novos benefícios, o bloqueio será automático e o empréstimo consignado somente será liberado com a autorização formal do titular.

Artigos relacionados

Entenda a Prova de Vida no INSS em 2022

INSS: confira o calendário de pagamento em 2022

INSS libera assinatura eletrônica